quarta-feira, 17 de fevereiro de 2010

Sintomas de Viciados em Sexo

O termo “vício em sexo” é usado para descrever o comportamento de uma pessoa que tem obsessão incontrolável por sexo. As coisas relacionadas ao atco sexual em si e o pensar sobre sexo tendem a dominar o agir do viciado, o que determina a sua queda de rendimento no trabalho e o desgaste das suas relações sociais e familiares. Contudo, as consequências podem ser muito mais graves, porque dependendo dos comportamentos exibidos pelo viciado, a vida do doente pode sofrer profundas perdas, tais como emprego, casamento, filhos, carreira, liberdade, contaminação por doenças transmissíveis sexualmente, ferimentos, morte e prisão.

Isto porque o vício do sexo implica necessariamente o desenvolvimento de identidade dupla, uma vida de fachada e uma outra de alto risco que envolve actividades ilegais tais como exibicionismo ,telefonemas anónimos obscenos, molestação e até violação. Todavia, é importante ressaltar que não necessariamente todos os viciados em sexo incorrem nos sintomas mais graves.

1- Masturbação compulsiva (auto-estimulação).


A masturbação excessiva pode causar cancro de próstata? Parece que sim, segundo alguns estudos clínicos recentes e, por enquanto, divirtam-se com este dispositivo “anti-masturbação” da França católica do século XIX que era instalado em jovens onanistas inveterados. Recentemente ele foi a leilão no Ebay.

2- Comportamento sexual promíscuo com inúmeros parceiros, por vezes anónimos e casuais, cujos relacionamentos nem chegam a durar uma noite inteira.
É por aí que acaban alguns casamentos e decresce o rendimento no trabalho, o que acaba por conduzir a separações e demissões.

3- Consumo compulsivo de pornografia.
Horas e horas na frente do computador navegando em sites XXX são o suficiente para destruir a produtividade de qualquer um, viciado em sexo ou supostamente não. Este sintoma por si mesmo já é um sinal amarelo de alerta!

4- Prática de sexo inseguro
Sida, sífilis, herpes, papiloma vírus, hepatite e outras cobras e lagartos rondam permanentemente os viciados em sexo, por serem costumeiros na prática de actos sem preservativos e precauções.

5- Uso abusivo de sexo virtual através de internet, telefone, Chat e serviços de encontros (Dating).
Quase todos os viciados acabam por ter complicações financeiras e a razão é muito simples: os Chats e Datings custam dinheiro, muita dinheiro que é queimado sem nenhum controle... no final do mês vem a conta.

6- Prostituição

Quando o viciado/viciada vende os seus serviços, provavelmente não experimente uma falência básica, nos outros, a procura impulsiva por profissionais do sexo acaba por acarretar grandes gastos financeiros e possibilidade de contrair doenças venéreas.

7- Exibicionismo.
É um sintoma que leva a apuros com a lei, já que os(as) exibicionistas são denunciados às autoridades. Enquanto isto, as exibicionistas teens de inúmerasn páginas da internert atraem milhares de visitas de viciados que apresentam o sintoma nº 8.

8- Voyerismo.
Voyerismo é a prática de espiar sub-repticiamente a nudez e actos sexuais alheios. Este sintoma pode trazer grandes dores de cabeça quando o voyeur é descoberto.

9- Assédio sexual.
Grande responsável pela perda do emprego. A prática de assédio costuma corroer as relações inter-pessoais nos ambientes corporativos.

10- Atentado violento ao pudor e violação.
É um dos sintomas mais graves, que leva certamente à prisão e a processos criminais intermináveis. Digamos que este é o fim do poço, se é que isto seja pior do que contrair o vírus da SIDA ou levar um tiro.

Relações emotivas com Satisfação Zero.
Geralmente o viciado em sexo obtém pouca ou nenhuma satisfação com seus parceiros, porque o após cada relação é invadido pelo sentimento de culpa e vergonha. O viciado não possui nenhum controle sobre o seu comportamento, mesmo confrontado com perdas cada vez maiores, financeiras, de saúde, sociais e emocionais.

Formas de Tratamento.
Os viciados em sexo apresentam graves distorções de percepção ao racionalizarem e justificarem o problema em busca de desculpas para as suas acções. Enquanto se justificam sistematicamente, eles têm grande resistência às abordagens terapêuticas.

Enquanto o doente não admite o seu problema e a necessidade de ajuda especializada, qualquer tentativa de tratamento certamente apresentará resultados inócuos. As circunstâncias que normalmente forçam os viciados(as) ao não aceitar a doença são a perda do emprego, casamento e eventuais envolvimentos com a polícia, o que pode acarretar a depressão.

Uma vez vencido o empecilho da aceitação do problema, torna-se possível empreender as próximas etapas que incluem noções de educação sexual, aconselhamento individual e terapia psicológica familiar. Há também a alternativa coadjuvante de participação em grupos anónimos de viciados em sexo. Em casos mais graves, o uso de medicamentos para o tratamento de distúrbios obsessivos compulsivos deve ser realizado diante da descoberta clínica das implicações por trás do vício sexual, que pode ser apenas um pano de fundo mascarador de desordens psíquicas mais graves. As medicações escolhidas são normalmente do grupo dos anti-depressivos, Prozac, ou Anafranil.

Algum de vocês já apresenta algum destes sintomas?

6 comentários:

doiSabores disse...

Nenhum desses que possa vir a estragar a minha vida familiar...lol
Beijosss

Palma da Mão disse...

Belo post meu amigo, é bom que as pessoas com alguns destes sintomas estejam conscientes de que estão doentes e que existe tratamento, não é uma situação irreversivél, ou uma doença incuravél, existe forma de controlo.
beijinhos

Libertya... disse...

uma das coisas que adoro no Bernardo Lupi... a parte "didáctica" !
o teu canto é unico meu amigo...
e não, não sofro dessa patologia, ainda! looool
bj libertyo

Anónimo disse...

sensacionaaaaaaaaaaaaallllllllll!!!
10000000000000000000000000000000
pra vc!!!!!!!!!!
bj

Anónimo disse...

sensacionaaaaaaaaaaaaallllllllll!!!
10000000000000000000000000000000
pra vc!!!!!!!!!!
bj

ParaMais disse...

Já percebemos que este texto anda por toda a net e já o recebemos inclusivé por mail.
Se em parte o achamos objectivo, noutra achamo-lo muito faccioso. A ter em atenção alguns "postulados" nele patentes, nós próprios teremos de nos achar "doentes" pelas práticas de que gostamos e que praticamos.
Não podemos deixar de considerar que, a opinião do autor interfere portanto com a objectividade que o assunto devia merecer.
O "vício no sexo" é semelhante ao vício no jogo, no álcool, nas drogas. Ou seja, é compulsivo, sem controlo por parte das vítimas. Um viciado em sexo não controla de forma nenhuma a sua necessidade, não mostrando nenhuma consciência nem cautela por aquilo que faz. Depois, tem consciência disso e arrepende-se ou envergonha-se, mas, imediatamente a seguir sente nova necessidade irreprimível e reincide.
É esta forma de comportamento que constitui sintoma de uma patologia, não o tipo de sexo praticado nem sequer a sua frequência.
Donde achamos que este texto pode ter o seu quê de alarmista, senão mesmo de alguma pitada de má fé.
Não nos revemos em nenhum dos aspectos científicos do que é dito pela OMS em relação a esta doença, logo, muito menos ainda no que consta neste texto.