sexta-feira, 10 de julho de 2009

Ana


Nunca te direi que foste luz
e alegria.
Que tua voz sussurrava
como o murmúrio
das águas cristalinas
que deslizavam suavemente
na areia do mar.
Nunca te direi que o teu sorriso
era o meu sorriso.
Que foste o ser mais importante da minha vida
que te sinto como se ainda
estivesses aqui.
Nunca te direi que guardo até hoje
o último abraço como o bem mais precioso.
Tantas coisas que não direi.

Peguei numa caneta e papel
e rascunhei
o que nunca te direi...

7 comentários:

Papoila disse...

Que bonita... muito mais ao meu jeito...
esta forma poetica de dizer ...nunca.

beijo
Bom fim de semana
BF

Niina disse...

As vezes vejo mto sentido no que escreves;


Gostei disto.


bom final de semana.
besos

Casal do Arrocha disse...

Passando pra desejar um maravilhoso final de semana!
Bjs...

Paula disse...

Concordo que há palavras que não podem ser ditas, no entanto, algumas não só podem como devem...

E se não as podermos dizer, então que as escrevamos, que encontremos forma de as mostrar!

Bom domingo

Katy disse...

Ai ai...guardo tantas coisas que nunca direi a uma pessoa...
É assim mesmo, tem coisas que não devem ser ditas, apesar de nossos olhos sempre nos denunciarem...
Beijinhos.

carpe vitam! disse...

Linda. Tenho estado a pensar sobre isso. O problema não é dizer. O problema está muitas vezes no dizer que parece implicar uma espécie de obrigação da outra parte. Como se dizer "amo-te" tivesse de ser imediatamente precedido de um "também te amo". Não tem. E nem sequer implica o devolver desse sentimento para ser completo. Claro que quem fica a perder é sempre quem não sente...

carpe vitam! disse...

ah, tens de escrever mais coisas assim e partilhar, senão com ela, ao menos connosco. Adorei!