sexta-feira, 22 de janeiro de 2010

8 MM


Durante os últimos tempos tenho-me lembrado insistentemente do filme 8 MM. Não sendo uma obra-prima de referência, tornou-se para mim um filme incontornável. Talvez me tenha feito pensar pela primeira vez nos perigos envolvidos em fantasias sexuais que vão longe demais e de todo um mundo sórdido e obscuro que muitas vezes está associado aos prazeres mais lascivos. Nicolas Cage interpreta o papel de Tom Welles, um detective privado que é contratado por uma viúva de um milionário para descobrir se um filme que foi encontrado no cofre do marido é verdadeiro ou não. Nesse filme, uma jovem adolescente é torturada até à morte por um sinistro dominador que enverga uma máscara de couro negro. A partir desse momento, as pistas conduzem o investigador ao submundo da pornografia, um universo perigoso em que o valor da vida humana é absolutamente desprezado. Um dos poucos filmes que aborda a questão dos snuff movies, pequenos filmes feitos por encomenda, que normalmente envolvem práticas sexuais brutais e que muitas das vezes mostram a morte de um dos intervenientes. Um dos mitos urbanos mais intrigantes para os qual muitos poucos têm resposta.
Existem filmes que devem ser visionados com os olhos nas entrelinhas e este é um desses. Quem procura puro entretenimento, desista de o ver porque está além das superficialidades comuns em Hollywood. Um mergulho hediondo na alma humana e em que fica provado que não existe justificação possível para o mal. Acredito que o realizador Joel Schumacher quis acima de tudo passar a mensagem de que existem ao nosso redor demasiados lobos que vestem a pele de cordeiros e que escondem os seus sórdidos desejos. Um filme de atmosferas sombrias e perturbadoras.

2 comentários:

ParaMais disse...

Verdade.
Um filme inquietante.
Existem monstros, não se duvide.

pontorouge disse...

Acho que algumas pessoas perdem todo escrúpulo quando tomadas pelo desejo. E como existem desejos doentios. O filme é ótimo e seu post excelente.

beijo rouge

Dani