segunda-feira, 30 de novembro de 2009

Haréns e Poligamia


A palavra Harém deriva do árabe "haram", significando ilegal, protegido ou proibido.

No seu uso secular harém refere-se ao que é separado, parte protegida de uma residência onde mulheres, crianças e empregados vivem no máximo isolamento e privacidade. Harém também refere-se a mulheres e pode aludir à esposa. Finalmente, harém é "Casa da Felicidade", a quase religiosa aceitação dos direitos exclusivos do senhor da casa na procura sexual. Um lugar onde mulheres são separadas e enclausuradas, sacrossantas de todos, menos do homem que governa suas vidas. É um lugar numa rica e nobre casa, guardado por escravos eunucos, onde o senhor da mansão mantém suas esposas e concubinas.

As notícias de haréns vêm da época do Império Otomano, durante seus 630 anos de existência. Actualmente na Turquia, apesar de ser um país muçulmano liberal, é proibida a prática dos haréns.Mas os haréns ainda existem, principalmente na Arábia Saudita e nos emirados do Golfo Pérsico. Poligamia é a prática de ter mais de uma esposa. Em uso comum, isto significa ter mais do que uma mulher.
Edificada na necessidade agrária, poligamia é parte de muitas religiões. Segundo o Alcorão, "a mulher é um campo, um tipo de propriedade que o marido utiliza da forma que considerar adequado", permitindo quatro kadins (esposas), se o homem for apto a mantê-las com a mesma qualidade de vida e souber distribuir igualmente seu afeto entre todas. Em árabe a primeira esposa é chamada "hatun" (a grande dama). Se um marido quiser livrar-se de uma de suas esposas, ele pode divorciar-se dela de forma relativamente simples, basta estar em frente a um juiz (kadi) e dizer "Eu divorcio-me dela" três vezes. A mulher não pode solicitar o divórcio, pois não possui esse direito. O Alcorão também permite aos homens possuir quantas odaliscas (escravas) ele desejar.

Ter múltiplas esposas é caro, não apenas para as manter, mas também porque havia o costume de construir um "dote" para cada esposa. Homens pobres raramente podiam ter uma esposa, - apesar de, por vezes, terem duas de qualquer forma - separando-as na sua pobre casa, apenas por uma cortina. Homens ricos por vezes excediam as quatro permitidas pelo Alcorão e faziam de mostruário as suas esposas como um símbolo de "status". De qualquer forma, mostrar demais atraiu os colectores de taxas e outros indesejáveis....

5 comentários:

desejo disse...

Interessante esta descrição.
As mulheres abundam neste planeta.
E muitos homens, dos países ocidentais, gostariam de ter mais que uma mulher.Provavelmente evitaria traições e muitas mulheres teriam um homem.
:)

pontorouge disse...

TM também é cultura!!!

Parabéns pelo post

beijo rouge

Dani

Vontade de disse...

Não querias mais nada, não? ;)

doiSabores disse...

Escravas de um só homem...
Nahhhhh...
Beijos

Palma da Mão disse...

Um dia escrevi em algum lado, que não me oferecessem flores, mas que me oferecessem cultura...hoje essa frase faz sentido, adorei o post, se bem que notei que ficou algo por dizer,rs, mas analisando o que está dito, lembro-me da natureza, dos animais a que chama-mos irracionais, funciona assim, e serão mais infelizes? Não sei, por mim falo, não me vejo numa situação destas, mas sei que devido á minha formação, cultura, se tivesse nascido ali, encararia esta situação com normalidade:)
beijinhos