quarta-feira, 18 de março de 2009

Três é demais?


Dois é bom, três é demais. Um sábio provérbio. Porém, nem sempre se dá assim. O triângulo se forma independentemente da vontade em certas ocasiões. Tem quem se jogue nessas aventuras e delas só guardem boas recordações.
Sou atraída para essas relações ou atraídas por elas. Não sei bem. Foi assim que me vi de repente entre vocês. Já havíamos falado sobre a hipótese como uma prenda para mim.
Excitava-me a idéia, mas não estava preparada quando jantamos com seu amigo em uma noite quente. A conversa ía correndo inocentemente com algumas insinuações picantes. A princípio fingi não entender.
Ele não disfarçava. Eu não sabia até onde aquilo iria, mas comecei a me preocupar com você. Um pouco mais tarde a sensualidade era nítida. Levantei-me da mesa e o chamei discretamente. Perguntei se você estava notando. Você confirmou e disse para eu não me importar. Era uma forma de retribuir e você faria parte do jogo.
Voltamos à mesa e o assunto foi ficando mais estimulante ainda. Eu já não precisava me segurar. Tinha seu apoio. Nos beijavamos. Sua mão passeava pelas minha coxas e ele pediu permissão para sentir a textura de minha pele também.
Senti as mãos de dois homens acariciando-me e comecei a perder a noção da realidade. Aquilo me excitava e muito. Estava húmida e meu rosto refletia o prazer. Você percebeu e achou por bem sairmos do restaurante. Subimos para a sua suíte.
Mal entrei e nem deu tempo da lucidez abaixar meu desejo. Você me beijou e pediu licença para telefonar. Era a deixa para ele se aproximar. Ele continuou o beijo e pela primeira vez senti a deiíciosa diferença de dois beijos em poucos minutos. Enquanto colava meu corpo ao do amigo novo, senti você chegando rígido me abraçando por trás.
Voltei-me para você e dei início à chupada que adorava. Queria lhe agradar e ao mesmo tempo mostrar ao outro como eu fazia bem aquilo. Fui com gosto ao seu membro e te olhava com enorme tesão.
Já tinha me desfeito das roupas que usava e meus mamilos mostravam a minha excitação. O mel escorria pelas minhas pernas quando fiz meu homem gozar a primeira vez espalhando seu gozo pelo meu rosto.
Foi assim que me virei para o visitante e mostrei a ele como era bom se entregar à minha boca. Dei-lhe o tratamento que um hóspede merece ter. Um por vez, provei dos dois e os dois provaram de mim.
Ele derramou seu gozo pelas minhas tetas quando você queria mais. Era a minha vez de ser chupada e fui pelos dois. Cada um aos seu modo me retribuia o prazer e eu gemia;Louca, abri-me para você e freneticamente tive um dos orgasmos mais intensos de minha vida.
Levantei-me e fui tomar banho. Na volta o amigo já não estava. Esgotada caí na cama querendo dormir, mas você não queria e me tomou o que eu ainda não tinha lhe dado naquela noite. Fui sua puta com gosto sentindo seu pau na minha bunda, marcando seu território.
Dormi horas seguidas. Acordei com a sensação de satisfação pelo corpo, mas com estranheza. Não consegui encarar seu hóspede naquele dia. Sinceramente não sei se amizade permanece quando o tesão se instala.

5 comentários:

ParaMais disse...

Curto, grosso, tesudo !...
Gostei.
(estou a falar do relato, nada de confusões...)
A perspectiva feminina é sempre bem vinda, pela mouche que toca de forma tão dispare da masculina.
A Maria vai adorar ler.

Beijos, de ambos.

Simplesmente disse...

Excitante e intenso...
Bom textos

Casal do Arrocha disse...

Hummm, adorei!
Eu adoro a três!
kkkkk
Obrigada pela visita.
Volte sempre!

carpe vitam! disse...

Interessante, mas porquê um de cada vez quando podia ter tido os dois ao mesmo tempo? Pena não serem bi...

Amizade com tesão é muito bom quando se consegue gerir com honestidade ;)

Beijo de bom fim-de-semana!

millady disse...

uma vez ouvi dizer que 3 é a conta que deus fez....se bem que ele nao é para aqui chamado....chamemos outros (as) entao!!!!!!